11.5.18

Princesa Isabel, abolicionista da gema


Conta-nos o historiador Eduardo Silva:

‘‘A Princesa Isabel protegia escravos fugidos em Petrópolis. Temos sobre isso o testemunho insuspeito do engenheiro André Rebouças, que tudo registrava em suas cadernetas implacáveis. Só assim poderemos saber hoje, com números precisos, que no dia 4 de maio de 1888, ‘almoçaram no Palácio Imperial 14 africanos fugidos das fazendas circunvizinhas de Petrópolis’. E mais: todo o esquema de promoção de fugas e alojamento de escravos parece ter sido montado pela própria Princesa. André Rebouças sabia de tudo porque estava comprometido com o esquema. O proprietário do Hotel Bragança, onde André Rebouças se hospedava, também estava comprometido até o pescoço, chegando a esconder mais de trinta fugitivos em sua fazenda, nos arredores da cidade. 

O advogado Marcos Fioravanti era outro envolvido, sendo uma espécie de coordenador-geral das fugas. Não faltava ao esquema nem mesmo o apoio de importantes damas da corte, como madame Avelar e dona Amanda Paranaguá Dória e Cecília, Condessa da Estrela, companheiras fiéis de Isabel e também abolicionistas da gema. Às vésperas da Abolição, no dia 12 de maio, conforme anotou Rebouças, já subiam a mais de mil os fugitivos ‘acolhidos’ e ‘hospedados pela Comissão Libertadora sob os auspícios de Isabel, a Redentora’.’’²

FONTES:

1. ECHEVERRIA, Regina. A história da Princesa Isabel: amor, liberdade e exílio. Rio de Janeiro: Versal, 2014. p.224.

2. SILVA, Eduardo. As camélias do Leblon e a abolição da escravatura: uma investigação de História Cultural. São Paulo: Companhia das Letras, 2003. p.29.

3. Arquivo do Diretório Monárquico de Santa Cruz.

Um comentário:

Mario José disse...

Adorei a postagem. Não sabia dessa parte da história.

Ações culturais na Mata da Paciência

a) Projeto Cultural A BANCA DÁ POESIA “A poesia é um ajuste de contas com a realidade!” (Luís García Montero) O Projeto Cultural A BAN...