22.10.18

O Rio de Janeiro sob os olhares de Jean Baptiste Debret


Lavadeiras do Rio das Laranjeiras, 1826.
Obra: Aquarela, Jean-Baptiste Debret - Acervo Museu do Açude. Rio de Janeiro - RJ.

Com a vinda da corte portuguesa, em 1808, o Brasil passou a ser um aspirante à modernidade. O Rio de Janeiro deixa de ser, então, a capital da colônia e se torna sede do reino de Portugal, passando por uma série de transformações. Esse processo contou com uma testemunha privilegiada, o artista francês Jean-Baptiste Debret, que chegou ao Brasil em 1816, integrando a Missão Artística Francesa.


A Missão, como se sabe, teve um papel fundamental na fundação da Academia Imperial de Belas Artes, que tinha como objetivo difundir o ensino das artes e ofícios no Brasil. Dentre os participantes da Missão, Debret se destaca pela herança que deixou: uma vasta coleção de aquarelas, gravuras e desenhos que retratam o cotidiano do Rio de Janeiro, revelando hábitos, costumes e as relações sociais que caracterizavam a cidade naquela fase de transição da colônia ao império independente. Parte desse legado integrou a exposição "O Rio de Janeiro de Debret", no Centro Cultural dos Correios, na capital carioca, até 3 de maio. 

A mostra, reuniu 120 obras originais de Debret, é uma oportunidade de apreciar e refletir sobre a visão de um dos grandes pintores viajantes franceses sobre o Rio de Janeiro. As obras expostas pertencem à coleção Castro Maya, que contém mais de 500 aquarelas e desenhos originais, raramente vistos em grandes conjuntos. "Como esteve no país entre 1816 e 1831, Debret acompanhou mudanças significativas na cidade, tanto em seus aspectos materiais como sociais, políticos e culturais, e tudo isso está, de certa forma, impresso nas imagens", explica a historiadora Valéria Alves Esteves Lima, professora da Universidade Metodista de Piracicaba, especialista na obra de Debret. Nesse sentido, Debret tem uma importância fundamental para os brasileiros, no que tange à construção de uma imagem da cidade e, também, do Brasil, já que o Rio era a capital e principal núcleo urbano do país na época. "Sobretudo, se considerarmos a presença de suas imagens em livros didáticos e na imprensa de divulgação, a partir do século XX", justifica a historiadora.

Texto de Marta Avancini

Referência Bibliográfica:


Aquarela, Jean-Baptiste Debret - Acervo Museu do Açude. Rio de Janeiro - RJ.

Pesquisa e postagem neste blog por Adinalzir Pereira Lamego

2 comentários:

Julia Santana disse...

Debret, um grande mestre da pintura.
Parabéns pelo texto!

Prof. Adinalzir disse...

Olá Julia Santana!

Sempre muito honrado com sua visita.
Volte sempre.

Inhoaíba, 26 anos do bairro

Hoje é o aniversario do nosso querido bairro, em 20/01/1993, ele foi emancipado de Campo Grande se tornando um bairro autônomo. Conhe...