8.2.19

Ilha do Raimundo

Por Cleydson Garcia


Neste artigo, publicado na página do Instituto Histórico e Geográfico Baixada de Irajá e de autoria do estudante de Arquitetura e Urbanismo Cleydson Garcia, um pesquisador apaixonado pela história do Rio de Janeiro, detalhes interessantes sobre a Ilha do Raimundo. “Reza a lenda, que os carmelitas ou jesuítas compraram a ilha e fizeram nela um seminário ou casa de moradia. Os frades podem ter feitos túneis na ilha ligando-a à ilha vizinha de Forra Semanas (Santa Rosa), dando origem a “Lenda do tesouro na Ilha do Raimundo”, cita o autor.

Na segunda parte temos o texto do professor Jaime Morais. Boa leitura!

ILHA DO RAIMUNDO

Por Cleydson Garcia

Desde as primeiras ocupações indígenas no entorno do “Recôncavo da Guanabara”, esta ilha e as demais, foram aproveitadas pelos tupinambás para buscar alimentos. A ilha tinha uma densa mata atlântica, e refletia o seu verde luxuriante, na piscosa Baía de Guanabara.

E este recanto, atraia os tamoios até a ilha para caçar com arco e flecha: robalos, paratis, piracanjubas, tainhas, pescadas, merotes, vermelhos e etc.

Após a conquista da cidade, a ilha passou a ser explorada por colonizadores. E aos poucos perdia a sua mata virgem, através de queimadas ou desmatamento. Teve dezenas de proprietários, ao longo dos séculos.

Nos princípios do século XVIII, a ilha era conhecida como “Ilha Cardozo”. Por volta de 1760, foi vendida para o Alferes Raimundo Ferreira da Silva, um militar! E seu posto atualmente, equivale ao  de um tenente. A partir deste século em diante, o seu nome ficou perpetuado nesta ilha. E fora registrada nos domínios da Freguesia de Irajá.

O Sr. Raimundo possuía uma casa de vivenda coberta de telhas, senzalas, bananais, algumas árvores de fruto e quatro escravos de serviço. Lidava com a propriedade como se fosse um sítio insular no meio desta grande baía. Raimundo falecera um pouco antes de 1800, e sua viúva vende a propriedade para terceiros.

A Ilha do Raimundo tem cerca de 230 metros de diâmetro e possui uma baixa colina de 20 metros de altura. A sua praia, tinha uma estreita faixa de areia branca e de bom calado para embarcações como canoas, faluas e saveiros.

Reza a lenda, que os carmelitas ou jesuítas compraram a ilha e fizeram nela um seminário ou casa de moradia. Os frades podem ter feitos túneis na ilha ligando-a à ilha vizinha de Forra Semanas (Santa Rosa), dando origem a “Lenda do tesouro na Ilha do Raimundo”.

Ao passar dos anos, a lenda era contada de pescador a pescador, de pais a filhos. E a fama da ilha cresceu nas vizinhanças. A espera que um dia, alguém encontre uns baús repletos de ouro!


ILHA DO TESOURO – 1939

Por Jaime Morais

As histórias sobre tesouros escondidos sempre pertenceram ao imaginário popular, não sendo uma novidade o que foi divulgado em 1943, por alguns jornais da época, em relação a um tesouro escondido na Ilha do Raimundo.

No inicio dos anos 40, foi vasculhada por um grupo liderado pelo Coronel Albano Davi e os senhores Francisco Lamyn e Julio da Costa e Silva, que organizaram uma empresa que tinha por objetivo localizar um tesouro avaliado na época em 100 bilhões de cruzeiros, em barras de ouro, e pedras preciosas.

Em 1943, o grupo já havia investido cerca de 1 milhão de cruzeiros, tendo encontrado apenas algumas moedas antigas de prata e cobre e poucos objetos sem muito valor. Passado o tempo, o assunto veio a tona novamente, porém o Tesouro da Ilha do Raimundo continua desafiando a imaginação de muitos.

Texto e Pesquisa: Cleydson Garcia
Foto: Correio da Manhã / Ano: 1965
Fonte: Arquivo Nacional e Jornais Antigos.


Postado neste blog por Adinalzir Pereira Lamego

11 comentários:

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

Bem interessante essa postagem, sem a qual eu não saberia da existência dessa ilha e de sua interessante História. Fico imaginando como o Rio antigo devia ser bonito. Suponho que há cem anos, a praia dessa ilha ainda fosse balneável. Bom final de semana!

Raimundo disse...

Parabéns pra pessoa que fez essa posgem muito boa

Cleydson Garcia disse...

Esse lugar é mais um exemplo da história do Rio tão esquecida! Fiz essa pesquisa, para que as pessoas dê importância a cada canto desta cidade, e lutem para reconquistar esse espaço! Não deixem que as ruínas que ainda existem, desapareça por completo!
A ilha está a venda!

Prof. Adinalzir disse...

Prezado Rodrigo Phanardzis
Fico muito grato pela visita.
Seus comentários contribuem para o sucesso do meu blog
Um forte abraço!

Prof. Adinalzir disse...

Meu caro Raimundo
Eu também agradeço pela sua visita e comentário.
Volte sempre que desejar!

Prof. Adinalzir disse...

Meu caro Cleydson Garcia
Sua pesquisa ficou excelente valorizando ainda mais o conhecimento da história do Rio de Janeiro. A nossa cidade agradece o seu empenho.
Um forte abraço para você e sua família!

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

Caro Cleydson,

Sua iniciativa é muito importante pois contribui para que mais locais sejam reconhecidos, tombados como patrimônio histórico e melhor protegidos.

Parabenizo ao Prof. Adinalzir por reunir nesse espaço virtual brilhantes postagens.

Ótima semana a todos!

Prof. Adinalzir disse...

Prezado Rodrigo Phanardzis
Eu também te agradeço pelas brilhantes colocações e a leitura fiel de sempre.
Uma excelente noite para você!

Cleydson Garcia disse...

Muito obrigado Rodrigo Phanardzis
Assim fico motivado a continuar fazendo o resgate histórico do subúrbio!

Um abraço!

Prof. Adinalzir disse...

Torcemos pelo seu sucesso, Cleydson Garcia!
Um forte abraço!

Unknown disse...

Prezado professor. Preciso lhe falar sobre esta ilha. Como posso contatá-lo?
Abs
Gilson

A História em combate

Não são tempos de festas. Não há motivos para comemorar.  São tempos sombrios. Não há tréguas nessa luta desigual.  Não são tem...