9.12.18

Descoberta e registro de mais um sítio arqueológico no Estado do RJ

Igreja de São Benedito de Itaguaí


O registro dos sítios arqueológicos constituí uma maneira importante de se conhecer o passado de determinada região. Partindo de informações diversas, o reconhecimento de uma jazida arqueológica implica em muitos estudos, levantamentos e de outra forma referencias populares e muita sorte.

No mês de Outubro partimos rumo ao sul fluminense para tentar localizar os vestígios arqueológicos da Igreja de Sao Benedito de Itaguaí. A frente da expedição de reconhecimento o amigo e Historiador Eduardo Vieira que é o grande conhecedor de toda a região de Itaguaí e o baluarte do conhecimento historico de toda a região. Foi ele que nos levou ao local aonde existiu a Igreja.

A Igreja de São Benedito existiu até o início do século XX, tendo desabado ou demolida depois dessa época. Ela se situa em um promontório próximo ao Forte de Coroa Grande que está localizado no caminho por terra que ia da povoação de Mangaratiba para a de Itaguaí, no lugar de Coroa Grande (atual bairro de Coroa Grande). A Igreja era composta por estrutura retangular, com telhado de duas águas e uma fotografia do inicio do século XX a mostra ainda de pé.


O ano de 1688 marcou o início da instalação dos jesuítas na região de Itaguaí. A Aldeia de Itaguaí é considerada uma das mais importantes do Rio de Janeiro e uma das que possuíram maior duração, tendo chegado até meados do século XIX.

Antes do descobrimento do Brasil, os povos indígenas Tupinambás habitavam a futura cidade de Itaguaí. Em 1567, Mem de Sá expulsou os Tupinambás da região, trazendo povos indígenas Tupiniquins e Carijós, aliados dos portugueses. Porém, a fundação do aldeamento, que originou a atual cidade de Itaguaí, foi alvo de diversas polêmicas quanto à localização inicial, naturalidade dos índios e identidade dos fundadores. Enquanto há relatos de que a iniciativa da fundação da aldeia foi dos padres que atuavam nas vizinhanças, o historiador Monsenhor Pizarro aponta para o governador do Rio de Janeiro Martim de Sá, que teria mandado alguns índios para a ilha, atualmente conhecida como Jaguanum. Reforçando que a ideia de que a construção da aldeia de Itaguaí fez parte de um processo amplo e bem articulado pelas autoridades coloniais, podemos citar o fato de que a vizinha Mangaratiba foi fundada pelo mesmo Martim de Sá.

O registro do sítio arqueológico no CNSA foi feito ainda em Outubro. 


Por Claudio Prado de Mello

Originariamente postado na página do autor do texto

Postado neste blog por Adinalzir Pereira Lamego

2 comentários:

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

Bem interessante essa descoberta feita no município que pé vizinho ao meu (sou morador de Mangaratiba). Acredito que poderá ser mais um atrativo para ser explorado turisticamente.

Prof. Adinalzir disse...

Prezado Rodrigo Phanardzis
Concordo plenamente com você. Que seja mais um ganho turístico para a Costa Verde Fluminense e que não fique só no papel.
Agradeço pela visita!

Anúncios da época da escravidão mostram por que o Brasil precisa acertar as contas com o passado

Alexandre Andrada As elites brasileiras parecem ter um hábito secular de pôr uma pedra sobre o nosso passado. Apesar de sermos o país...