8.6.18

O Morro do Mirante em Santa Cruz (RJ)


Num sobrevoo realizado no dia 11/11/1981 é possível avistar o Morro do Mirante com a grande caixa d'água que servia de abastecimento a região de Santa Cruz. Hoje ela se encontra desativada.

O cruzeiro ali existente foi construído nos festejos dos 400 anos do bairro em 1967. E no meio havia um posto de acompanhamento meteorológico, hoje também desativado.

Conhecido pelos santacruzenses como Morro do Mirante, ou do Cruzeiro. Com 65 metros de altura, nele se pode ver todo o bairro de Santa Cruz.

Neste morro foi construído um mirante pelos padres jesuítas que era usado como uma atalaia (espécie de observatório), de onde eles fiscalizavam o trabalho dos escravos da fazenda, observando todas as terras em sua volta.

Após a vida da Família Real Portuguesa para o Brasil em 1808 e a consequente elevação da sede da Fazenda Real de Santa Cruz a Paço Real. Ali foi erigida uma pequena construção, em formato octogonal, para que os observadores ficassem melhor acomodados. Este local era constantemente visitado por D. João VI, D. Pedro I e D. Pedro II.

O mirante foi registrado artisticamente na época por viajantes estrangeiros que por aqui passaram. Um deles foi o primeiro Embaixador da Bélgica no Brasil, Sr. Benjamim Mary, que desenhou o Mirante com a presença do jovem Imperador D. Pedro II. Também foi fotografado em 1885, durante as manobras militares realizadas sob o comando do Conde D’Eu.

Em homenagem aos 400 anos de Santa Cruz, o governo do Estado de Rio de Janeiro (Na época o Rio de Janeiro era chamado de Estado da Guanabara), colocou no mirante uma Cruz em alusão a cruz histórica localizada em frente ao quartel que deu a origem ao nome do bairro.

Colaboração: Luís Martini Thiesen
Pesquisa de Adinalzir Pereira
Fonte: NOPH-Ecomuseu e Rio Educa Idéias

2 comentários:

Mario José disse...

Santa Cruz, terra de muitas histórias.

Prof. Adinalzir disse...

Muito grato Mario José
Volte sempre!

Os primórdios da Zona Oeste do Rio de Janeiro

A zona oeste do Rio de Janeiro, chamada de “sertão carioca” pelo escritor e pesquisador Magalhães Corrêa no livro de mesmo nome sobre J...