segunda-feira, fevereiro 12, 2024

A visita do Imperador Dom Pedro II a Cachoeira de Paulo Afonso


Um dos momentos marcantes da Visita de Dom Pedro II a Bahia em 1859 foi a expedição a famosa Cachoeira de Paulo Afonso, no Rio São Francisco. O nome dado à cachoeira foi uma homenagem ao sertanista Paulo de Viveiros Afonso, que explorou a região em 1725.

A viagem teve início em Salvador, na Bahia, no dia 12 de outubro de 1859. Nessa data, o imperador e toda a comitiva (exceto a Imperatriz Teresa Cristina, que permaneceu em Salvador) seguiram viagem no vapor Apa. Estavam a bordo o presidente da Província de Sergipe, Manuel da Cunha Galvão; o conselheiro João de Almeida, ministro do Império; visconde de Sapucaí, camarista; e o barão de Atalaia, além de comandantes, capitães de bordo, senhores de engenho, diretores de escolas, correspondentes de jornais e outros convidados.

No percurso, o imperador consultava as notas escritas por Silva Caroatá e Vieira de Carvalho; além disso, tinha em mãos o mapa elaborado pelo engenheiro Henrique Halfeld, que, por ordem do Império, desenvolveu estudos técnicos entre os anos de 1852 e 1854, na região do Rio São Francisco. Ao amanhecer do dia 20 de outubro de 1859, o imperador chegou à famosa cachoeira de Paulo Afonso, e anotou em seu diário sobre o povo sertanejo da região: "As moças daqui têm feições regulares e são muito gentis, usam vestidos mais simples devido ao calor. O povo daqui parece viver bastante, ontem encontrei um velho que dizia ter mais de 90 anos" também escreveu sobre as dificuldades do intenso clima do sertão; "O barão de Atalaia, o doutor Titara, e o doutor Oiticica todos tiveram de retornar a Salvador pois foram acometidos de febre causada pelo calor intenso"

Durante sua visita Dom Pedro II sofreu três quedas devido ao terreno pedregoso, uma dama de companhia que o acompanhava na comitiva quebrou a perna e vários ossos após cair no pedregulho da cachoeira;

"Tentar descrever a cachoeira em poucas páginas, e cabalmente, seria impossível, e sinto que o tempo só me permitisse tirar esboços muito imperfeitos. O arco-íris produzido pela poeira d’água completava esta cena majestosa.” escreveu o Monarca.


Logo na manhã seguinte, 21 de outubro, a comitiva retornou, seguindo itinerário inverso. A tropa imperial chegou no dia 24 de outubro de 1859 em Penedo, de onde seguiu para a Bahia. Em Alagoas, ao todo, o percurso em navio a vapor foi de 212 km e a cavalo 60 km.

Anos mais tarde em 1882 Dom Pedro II aprovou um projeto para criação de uma linha férrea que seria construída ao lado do Rio São Francisco, mas a inauguração da linha nunca aconteceu e o projeto acabou sendo cancelado em 1964. 

Fonte de Consulta:

Visita de Dom Pedro II à cachoeira de Pcultaaulo Afonso; introdução e notas de Alcindo Sodré. 1949.

Créditos: https://www.instagram.com/brazil_imperial/

Nenhum comentário: