1.4.18

Um dia de infância no bairro de Irajá


Papai penteando a juba,
rádio-relógio marcando,
mamãe já de pé.

Chichi-cocô apressados,
banho, uniforme, merenda,
cheirinho de café.

Ladeira de barro,
terreno baldio,
Estrada até a escola.

Aula, maçã, professora,
anotações dispersas,
só recreio na cachola.

Estrada para casa,
terreno baldio,
chutes em latas no barro.

Deveres de casa,
gorducha nos jogos da rua,
colegas tirando sarro.

Quintal varrido,
folhas queimando,
banho, pente na gadelha.

Ave-Maria das seis,
papai retornando à casa,
chuva com cheiro de telha.

Falta de eletricidade,
fantasmas e ET no escuro,
conversa sobrenatural.

Dominó, memória, livros,
irmão, pais, aconchego...
Felicidade era o normal.

Autora: Verônica Marzullo de Brito.

Para adquirir um exemplar autografado.
Escreva para veronica.poemas@gmail.com

2 comentários:

Anônimo disse...

Sinto-me profundamente honrada por contrcontribuir com o blog que tanto admiro!
Muito obrigada!
Verônica M.B.

Prof. Adinalzir disse...

Para mim também é uma grande honra colaborar com você.
Um abraço, Verônica Marzullo de Brito!

A Estrada Real de Santa Cruz, o caminho da riqueza

Por André Luis Mansur (*) Até a chegada da estrada de ferro na região que seria conhecida como zona oeste, no final do século 19,...