15.1.13

O Fim do Morro do Castelo


O Rio de Janeiro cresceu do acidente geográfico denominado Morro do Castelo em 1567. Os portugueses liderados por Estácio e Mem de Sá estavam instalados há um tempo no Morro Cara de Cão, tentando conquistar a região habitada pelos índios tamoios. Tinham tudo para perder porque chegaram depois dos colonos franceses liderados por Villegagnon, que, na época, já conviviam em certa tranqüilidade com os indígenas locais. Mas acabaram levando a melhor e, por questões estratégicas, acabaram se estabelecendo no alto de uma colina inicialmente intitulada Morro do Descanso. Após erguer muros e batizar os principais pontos da cidadela, o Descanso chamou-se Morro do Castelo em homenagem a Fortaleza de São Sebastião que mais parecia o palácio real.

O Morro do Castelo abrigava uma cidade feudal com aproximadamente 600 pessoas, entre eles colonos portugueses, jesuítas, índios catequizados, remanescentes franceses apaziguados e pouquíssimas mulheres. Sua entrada era feita de início somente através da Ladeira da Misericórdia que é o primeiro e mais antigo logradouro do Rio de Janeiro. Apesar de não ter permanecido com sua extensão integral, foi a única parte poupada da destruição no Morro do Castelo. Pena que a rua hoje passe tão batida aos olhos daqueles que trafegam no Centro do Rio, já que ali também se situa a Igreja construída no século XVIII Nossa Senhora do Bonsucesso valendo um bom passeio.

Além do Largo da Misericórdia, os limites do Morro do Castelo ficavam onde hoje estão situadas as ruas São José, Santa Luzia e México. No alto do morro, ficava a Casa do Governador, a Cadeia e o Edifício da Câmara, Igreja de São Sebastião e a Igreja e Colégio dos Jesuítas. Apesar de serem expulsos em 1759 pelo Marquês de Pombal, os jesuítas deixaram para a população a Lenda do Morro do Castelo, que se referia a um tesouro oculto em túneis e galerias secretas erguidas pelos padres da Ordem.

Os moradores obtinham isenção nos impostos para construir suas casas e povoar a região que foi crescendo rapidamente. Em poucas décadas, a elite descia o morro, deixando a região exclusivamente para a população menos favorecida. Quando a família real chegou ao Brasil em 1808, os cariocas já ocupavam a área do Centro até a região do Valongo e Morro da Conceição. Nesta época, inclusive, já se cogitava um plano de urbanização que derrubasse morros para facilitar a circulação dos ventos e o melhor escoamento aquaviário daquela área. 

A cidade foi crescendo e mudando de cara, especialmente após as reformas de Pereira Passos. Infelizmente, estas reformulações não contemplavam o Morro do Castelo. Para a abertura da Avenida Rio Branco em 1905, parte do morro foi abaixo. O tiro de misericórdia veio em 1922, quando o prefeito do então Distrito Federal Carlos Sampaio decretou a demolição do Morro do Castelo com a justificativa de arejar a cidade e obter mais espaço para a Exposição do Centenário da Independência

Curiosamente, apenas o paulista Monteiro Lobato se posicionou publicamente contra a derrubada na época. A população que ali morava foi transferida para os subúrbios da cidade e por essas e outras remoções foi se delineando a geografia urbana das favelas que todos nós hoje conhecemos.

10 comentários:

nandarilha disse...

Excelente postagem! Nada como saber um pouco mais de história do Brasil. Geralmente sabemos muito sobre História Geral e pouco sobre o que aconteceu nas diversas regiões que formam nosso país, sem saber que existem fatos incríveis a serem lembrados, que constituem nossa atual cultura e formação.

Prof. Adinalzir disse...

Prezada nandarilha
Sua visita e seus comentários são sempre um grande prazer por aqui.
Um grande abraço!

... da Cost@ disse...

Prof. essa materia é incrivel. Estou recomendando aos meus amigos. Excelente. Passo sempre por essas ruas... Rua São José... no Centro da Cidade e não imaginava que a aparência era outra anos atras. E o Monteiro Lobato, hein? Homem de visão. Grande Abraço.

Prof. Adinalzir disse...

Prezado ... da Cost@
Fico muito grato com a sua visita por aqui. Só temos a lamentar que ninguém escutou o grande Monteiro Lobato.
Um grande abraço!

Toninho disse...

Beleza de partilha amigo, é gostoso de ler e aprender historia num texto leve e bem elaborado.Penso que assim deveria ser nas escolas para o incentivo.
Parabens pelo texto.
Apenas Monteiro Lobato deu seu grito, nota-se que a inercia vem de longe amigo.
E assim nasceram as favelas.
Um terno abraço e bela semana.

Prof. Adinalzir disse...

Prezado Toninho
Muito me honra a visita daqueles que prezam a importância da História. Abraços!

Anônimo disse...

Do ponto de vista histórico, o desmonte do morro do Castelo foi uma grande perda. Mas, por outro lado, é fácil imaginar o que seria hoje, caso ainda existisse: um favelão ao lado da Rio Branco.

Paultruc

JJHN disse...

Publiquei:

http://historiamaximus.blogspot.pt/2013/03/o-fim-do-morro-do-castelo.html

Prof. Adinalzir disse...

Prezado Paultruc
Muito me honra a sua visita e comentário. Volte sempre.
Abraços,

Prof. Adinalzir disse...

Prezado JJHN
Fico muito grato pela visita e publicação. Conte sempre também com o Saiba História. Abraços,

BlogBlogs.Com.Br