20.1.11

Ex-presidentes do Brasil na visão de historiadores


Segundo historiadores, poucos ex-presidentes se retiraram da vida pública, a maioria continuou a influenciar os rumos do Brasil.

Não se deixe enganar pela camiseta de malha e a disposição para comer pastéis. Lula está de férias, depois de oito anos de trabalho à frente da Presidência da República. Mas o ócio dos últimos dias, tanto em seu apartamento em São Bernardo do Campo, quanto na praia de Guarujá, não necessariamente será a tônica daqui para frente. A história do país revela que, tirando alguns casos da República Velha e na ditadura militar, a prática de se retirar da vida pública não é comum. Quem faz parte de um projeto político significativo continua influente. E dificilmente consegue sair de cena.

Sair de cena era uma opção mais comum nos primeiros anos da República. Embora o poder estivesse concentrado nas mãos de poucos políticos, pertencentes a grupos restritos que se alternavam na Presidência, alguns deles optaram pelo isolamento. Exemplo é Floriano Peixoto (1891-1894), o segundo presidente do país, que assumiu com a renúncia de Deodoro da Fonseca.

Quando seu mandato acabou, nem esperou Prudente de Morais chegar para tomar posse, estava muito doente e se afastou logo, embora tivesse muitos admiradores - conta a historiadora Isabel Lustosa, da Casa de Rui Barbosa, autora do livro "Histórias de Presidentes - A República do Catete" (Editora Agir).

Dono de uma casa no subúrbio e uma fazenda no interior do estado, o ex-presidente se afastou da vida política, segundo especialistas.

Floriano acaba sendo exaltado por ter uma vida simples, um despojamento com o exercício do cargo — conta o historiador Carlos Eduardo Sarmento, do Centro de Pesquisa e Documentação (CPDOC) da Fundação Getúlio Vargas. - Ele pegava o bonde para ir para casa, em Cascadura, onde ficava cuidando das rosas no jardim. Quando deixa a Presidência, com a aura de ter sido atraiçoado, morre pouco depois, recluso, vivendo como um cidadão comum, sem aspiração à participação política.

Campos Sales (1898-1902) foi outro da República Velha que também se isolou em sua fazenda, no interior de São Paulo, logo após o fim de seu mandato. Ainda assim, se elegeu senador e, posteriormente, foi diplomata na Argentina.

Ele saiu do Catete muito impopular, debaixo de vaias, com jornalistas lhe atirando caroços de jaca - conta Isabel. Já no fim do seu mandato, foram publicadas uma série de quadrinhas cujo tema era a solidão da qual ele sofria, à medida que os puxa-sacos iam se afastando e se voltando para o seu sucessor. Chamavam de "a solidão do Banharão", região de São Paulo onde ficavam suas fazendas, e para onde ele volta.

Outro caso similar foi o de Venceslau Brás (1914-1918), o vice de Hermes da Fonseca que acabou se tornando presidente no período crítico da Primeira Guerra Mundial.

Ele era discreto, apagado até, e saiu de cena completamente. Foi para Itajubá, em Minas - diz Isabel Lustosa. - Era um sujeito muito simples, um representante da classe média no poder. Costumava dizer que, depois de ser presidente, o sujeito não poderia almejar mais nada na vida e nunca mais se envolveu em política.

Mas nem mesmo na República Velha essa foi a regra. Em geral, eles continuavam fazendo política, atuavam politicamente. Foi o caso de Rodrigues Alves (1902-1906), que se reelege presidente inclusive, e Hermes da Fonseca (1910-1914), entre outros - afirma Sarmento.

Isabel Lustosa concorda com o colega. - Quem tem uma base política, um grupo econômico, um projeto, continua no jogo - diz a historiadora.

Washington Luis (1926-1930) foi deposto pela Revolução de 30 e acabou ficando por 17 anos no exílio, como forma de protesto contra Getúlio Vargas, um gesto para lá de político numa ditadura. O próprio Vargas, ao ser deposto em 1945, após 15 anos no poder, se isolou por um período em sua fazenda, em São Borja, no Rio Grande do Sul. Segundo historiadores, ele nunca deixou de ter influência na vida nacional, uma vez que continuava recebendo políticos por lá. Mas foi com pompa e circunstância que anunciou sua "volta" para a eleição de 1951. Eleito democraticamente, ele ficou no poder até 1954, quando se suicidou.

De acordo com os historiadores, Juscelino Kubitschek (1956-1961), com sua plataforma desenvolvimentista e a construção de Brasília, foi um dos mais populares presidentes do país. Tinha planos declarados de voltar à Presidência em 1965, se elegeu senador em 1962, mas acabou sendo atropelado pelo golpe militar de 1964, que tirou João Goulart do poder depois da renúncia de Jânio Quadros, suspendendo a democracia por 20 anos.

Os militares, na análise de Carlos Eduardo Sarmento, tiveram uma postura diferente da dos civis, e se recolheram mais após o mandato.

Justamente por conta de hierarquia, eles se afastavam e silenciavam, caso do
Médici, do Geisel e do Figueiredo, que chegou a dizer que queria ser esquecido - afirma. Mas isso tem a ver com o sentido da ação militar na política, não é padrão, destoa dos presidentes eleitos democraticamente.

Com o fim da ditadura e a retomada da democracia, na análise dos especialistas, a tendência é clara. Tirando Fernando Collor, que não era um político tradicional, não pertencia a um partido consagrado, e ainda ficou estigmatizado pelo impeachment, as denúncias de corrupção e a morte trágica de seu tesoureiro, Paulo César Farias, todos os demais presidentes do período têm atuação importante. Isabel lembra que mesmo o mais inexpressivo deles, Itamar Franco, elegeu seu sucessor, Fernando Henrique Cardoso, e é atuante na política mineira.

O José Sarney é um político que nunca saiu de cena - cita Isabel Lustosa. - Ele segue essa lógica de ser ligado a um grupo político, a determinado projeto. Para os historiadores, dificilmente será diferente com Luís Inácio Lula da Silva.

O Lula tem um carisma muito superior ao do Juscelino, vive numa sociedade de mídia de massa, tem uma popularidade altíssima e condições físicas e etárias para ser um ator político - analisa Sarmento. Embora diga oficialmente que está afastado, tudo leva a crer que continuará exercendo um papel importante e pode mesmo pleitear uma nova candidatura. De toda forma, ele é um referencial político sim, construiu esse lugar para ele, um lugar de articulador, de conciliador, que não se supunha que pudesse ocupar.


Fonte: Texto de Roberta Jansen Jornal O Globo

19 comentários:

lucidreira disse...

Além de dar uma ênfase a matéria, deixa uma aula de história para os mais novos que acompanham seu blog.
Muito bom e esclarecedor.
Abraço Professor.

José Lima Dias Júnior disse...

Olá Professor,

Belo post acerca dos caminhos e descaminhos trilhados pelos ex-presidentes na política.

Abraços!

Prof. Adinalzir disse...

Prezado Lucidreira
Achei a matéria muito interessante e resolvi publicar. Como você diz, é um texto muito bom e esclarecedor.
Umm grande abraço e muito obrigado pela visita!

Prof. Adinalzir disse...

Meu caro Prof. José Lima Dias Júnior
Agradeço pela visita e comentário. Fico contente que tenha gostado.
Um fraternal abraço!

lucidreira disse...

Caro professor Adnalzir, Blogueiros do Brasil e administrado por uma pessoa de São Paulo chamado na blogosfera de Tiozão, ele modera e administra, com a participação lá meus blogs tiveram muitos visitantes e foi seguido por muitos curiosos. É boa a participação lá, caso queira entre no link: http://www.blogueirosdobrasil.com/ e se cadastre.
Abraço

Prof. Adinalzir disse...

Meu caro Lucidreira
Agradeço pela informação. Estarei me cadastrando por lá. Muito obrigado pela visita. Valeu mesmo!

Pamella disse...

Pois é professor,

Acredito que o governo Lula não acabou. Apesar dele estar fora dos holofotes, a Dilma é sua indicada e afima que seguirá a mesma linha política de Lula. Este com certeza vai influenciar a política,e não vai deixar que milhões de brasileiros sintam falta dele, rs.

Abs,

Pamella

Blog da Fofa disse...

Oi professor. O Lula sempre terá seu lugar, concordo c vc. Seu blog é uma escola virtual, que nos ensina a cada acesso. Um grande beijooooooo

Prof. Adinalzir disse...

Olá, Pamella
Agradeço pela visita e comentário. Fico muito contente com sua opinião.
Um grande abraço!

Prof. Adinalzir disse...

Ao Blog da Fofa
Prezada Carolina
Agradeço sua visita e seus comentários sempre muito inteligentes. Valeu mesmo!
Um grande beijo!

Victor Faria disse...

Olá, professor!
Realmente é difícil acreditar que o nosso ex-presidente Lula ficará fora do cenário político para sempre. Acredito que em breve ele voltará a este campo. Agora, voltar a ser presidente ou candidato a este cargo só mesmo se a Dilma fracassar.
Obs.: não sei se viu, mas esta semana deixei um comentário neste post antigo: http://saibahistoria.blogspot.com/2009/01/nomes-curiosos-de-alguns-bairros.html, falando sobre a origem do nome do meu bairro (Sulacap).
Tenha um ótimo final de semana! Abraço!

Prof. Adinalzir disse...

Prezado Victor Faria
Realmente é muito difícil acreditar num Lula apagado politicamente, rsrs.
Quanto ao seu comentário no meu post antigo, eu vi e agradeço pela sua contribuição.
Abraços e um ótimo final de semana para você também!

Victor Faria disse...

Olá, Prof. Adinalzir!
Obrigado pelos elogios deixados em meu blog.
Respondendo à sua pergunta: sim, moro em Sulacap.
Abraço!

Prof. Adinalzir disse...

Prezado Victor Faria
Que bom saber que entre meus amigos blogueiros de todo o Brasil, existe mais um carioca! Somos da zona oeste da cidade, com muito orgulho, rsrs.
Abraços! :)

Assi Sales disse...

E quem pensar que o Sapo Barbudo vai sair de cena, ponha as barbas de molho e pode tirar o seu cavalinho da chuva (especialmente se estiver no Sudeste do BR). Ele vai ficar mexendo os cordéis da sua bonifrate "preisidentA".

Prof. Adinalzir disse...

É isso aí, Assi Sales!
Agradeço a sua visita e comentário.
Abraços, :)

armando disse...

Professor, concordo com o senhor, o nosso querido ex-presidente Lula, tem um capital eleitoral muito grande, por isso, irá continuar presente no cenario politico.

Armando Aderaldo

Prof. Adinalzir disse...

É isso aí, Armando!
Faço votos também que o ex-presidente Lula não esteja envolvido nos escândalos do PT. Muito grato pela visita e volte sempre!

Raphael Bellem disse...

Boa noite professor!

Achei muito interessante esta publicação! Gostaria de saber com o senhor, se há um link ou uma cópia digitalizada desta matéria publicada pela jornalista Roberta Jansen. Queria incluí-la em um trabalho de pesquisa.

Abraços e fique na paz!

BlogBlogs.Com.Br